Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Quarenta e um hospitais paranaenses estão instalando placas fotovoltaicas e trocando iluminação e equipamentos por modelos mais eficientes com financiamento do Programa de Eficiência Energética (PEE) da Copel.  O programa é resultante de uma chamada pública dedicada exclusivamente a hospitais públicos e beneficentes do Estado. Com a melhoria na eficiência energética, a redução média no valor da conta de luz é estimada em 75%, permitindo que os recursos mensais excedentes sejam investidos em outros serviços voltados para a população.

Os telhados de 37 hospitais aprovados na chamada estão ganhando placas fotovoltaicas para a geração de energia limpa, que irão representar também economia nas contas das instituições de saúde. Os projetos contemplam ainda a troca de iluminação, equipamentos médicos, de climatização de ar e de aquecimento de água. O investimento total é de R$35 milhões. Os recursos são destinados a fundo perdido, e chegarão a 33 municípios.  

A maioria dos projetos aprovados já está com obras em andamento. É o caso dos hospitais Regional Vale do Ivaí e Nossa Senhora de Fátima, em Jandaia do Sul, no Norte do Estado. “Instalamos 256 placas fotovoltaicas, que já estão gerando energia, e ainda teremos melhorias na iluminação, com 154 pontos que serão modernizados”, comemora o diretor administrativo do Hospital Regional, José Roberto Campaner. 

Em Curitiba, as melhorias estão em andamento no Pequeno Cotolengo, Hospital da Mulher e Maternidade Nossa Senhora de Fátima, Santa Casa de Misericórdia e no Hospital São Vicente. Esta última instituição atua em diversas especialidades clínicas e cirúrgicas, e é referência em transplantes de fígado e rim, além de oncologia e cardiologia. Por lá, as estruturas estão sendo montadas nesta semana e irão receber nos próximos dias as placas da unidade de geração de energia solar. Também está em andamento a trocade aparelhos de ar-condicionado, lâmpadas e uma autoclave utilizada na higienização de roupas de cama e vestimentas, a fim de tornar o consumo de energia mais eficiente. 

De acordo com o médico Charles London, diretor-presidente do Hospital São Vicente, o projeto é estratégico pelo peso que o custo da energia elétrica tem na composição dos custos de um hospital. “Pela tecnologia agregada, a questão da energia é importante nesta composição. Então, a possibilidade de reduzir os custos impacta positivamente e vai permitir que estes recursos sejam destinados à melhoria do atendimento ao paciente”, destaca.

O superintendente de Smart Grid e Projetos Especiais da Copel, Julio Omori, faz um balanço positivo da chamada pública realizada: “Temos muitos hospitais trabalhando na execução de seus projetos, alguns já em fase de finalização. É importante sabermos que tudo o que planejamos está sendo executado, e que os objetivos iniciais serão atingidos”, comenta. 

Critérios

O Programa de Eficiência Energética é regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica – Aneel. A oferta do edital para hospitais foi pioneira no Brasil, pensada para criar uma alternativa que beneficiasse as instituições de saúde públicas e filantrópicas do Paraná, uma vez que a energia elétrica é responsável por parte considerável dos custos operacionais desses complexos.

De forma inédita, o edital levou em consideração, na avaliação dos projetos, critérios socioeconômicos, como o número de leitos destinados ao Sistema Único de Saúde (SUS) na instituição responsável pelo projeto, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do município em que o hospital está instalado, e a dificuldade para o pagamento da fatura da energia elétrica, além de quesitos técnicos que estabeleceram a relação entre os valores investidos e a redução a ser alcançada no consumo.

Asimp/Copel

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.