Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Para 2024, Aneel reduziu em 12,69% valor de repasse da potência contratada

A hidrelétrica de Itaipu terá a menor tarifa de energia do país em 2024, se comparada à média dos leilões realizados pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). O valor será de US$ 17,66/kW.mês (quilowatt-mês), uma redução de 12,69% em relação ao ano de 2023. A decisão foi divulgada na terça-feira (19) pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Com a diminuição, o custo da energia em MWh (megawatt-hora) será de R$ 205,00, o menor do país em comparação com as demais tarifas negociadas no mercado nos leilões realizados pela CCEE, que inclui hidrelétricas e demais fontes, como a energia eólica, por exemplo.

Segundo o diretor-geral de Itaipu, Enio Verri, isso mostra a sustentabilidade da Binacional, que consegue entregar energia a um valor muito competitivo em relação ao mercado, mas mantendo sua capacidade de investimentos e ações socioambientais. “Somos uma empresa que é gerida para produzir uma energia barata, de boa qualidade e que não deixe de lado seu compromisso com a sociedade dos dois países sócios (Brasil e Paraguai).”

A tarifa de Itaipu para a venda às concessionárias de energia no país é definida a partir de uma soma entre o Custo Unitário dos Serviços de Eletricidade (Cuse) e outros três itens: Custo da Energia cedida ao Brasil; Saldo da Conta de Comercialização; e Parcela devido a retirada do fator de reajuste (que é basicamente a dívida da construção da usina). Em 2023 a soma de todos estes itens foi de US$ 20,23, valor que cairá para US$ 17,66 no próximo ano.

De acordo com o diretor financeiro da Itaipu, André Pepitone, vários fatores têm contribuído para a redução da tarifa da Binacional. A baixa deve-se, principalmente, à quitação da dívida para a construção da usina (menos US$ 2,17 na conta) e ao custo da energia cedida ao Brasil, que teve redução de 29,2% (de US$ 1,34 para US$ 0,95), devido ao aumento de consumo de energia do Paraguai. Outro fator que tem impacto é o Cuse, que em 2023 teve uma diminuição de 26% (na comparação com 2021) e atingiu seu menor patamar em 20 anos. Se mantido esse valor, que é o objetivo do governo brasileiro, ele assegurará que a tarifa siga nos valores definidos pela Nota Técnica divulgada pela Aneel.

“Temos focado na modicidade tarifária e conseguimos um excelente resultado com negociações com nosso sócio e com a estabilização da moeda do mercado. O MWh de Itaipu entra na tarifa de energia abaixo do custo médio das distribuidoras. Essa é uma nova realidade da Usina”, comenta Pepitone.

Em 2022, Itaipu foi responsável pelo abastecimento de 8,6% da eletricidade do Brasil, nas regiões Sul, Sudeste e Centro Oeste, principalmente nos estados de São Paulo, Paraná e Minas Gerais. E respondeu também por 86,3% do suprimento fornecido ao Paraguai. Pelo Tratado de Itaipu, ambos os países têm direito a 50% do total de energia produzida pela empresa, ficando o Paraguai obrigado a ceder seu excedente ao Brasil por um valor acordado anualmente entre os dois países.

Asimp/Itaipu

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.