Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Governo do Paraná investe R$ 148 milhões para duplicação de 27 quilômetros da PR-445, beneficiando mais de 1,1 milhão de habitantes. Já foram iniciados os serviços para implantação de um passa fauna e de terraplanagem do trecho, além de todo o sistema de drenagem

A duplicação da PR-445, entre Mauá da Serra e Lerroville, uma das principais obras do Governo do Paraná na região de Londrina, no Norte do Estado, teve avanços na construção do novo sistema de drenagem e obras de arte correntes, com execução de valetas de concreto e dos berços para implantação dos bueiros de concreto. Esses dispositivos evitam que a água das chuvas se acumule sobre o pavimento, danificando as pistas ou causando acidentes.

Também foram iniciados os serviços para implantação de um passa fauna e de terraplanagem do trecho, nos locais onde será executada a plataforma da nova pista, paralela à atual. Os trabalhos são coordenados pelo Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR).

A duplicação da PR-445 é um anseio antigo da população, que está saindo do papel após o compromisso firmado pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior com a região Norte. Além do impacto direto para os mais de 25 mil habitantes de Mauá da Serra e Tamarana, a duplicação vai beneficiar toda Grande Londrina, que conta com mais de 1,1 milhão de habitantes. A rodovia faz ligação com destino a Ponta Grossa, Curitiba e Litoral.

O Governo do Paraná está investindo R$ 148 milhões para duplicar 27,07 quilômetros da PR-445. A obra terá ainda um viaduto no acesso ao município de Tamarana, pontes sobre os rios Santa Cruz e Apucaraninha, onze retornos em nível, a correção da geometria em sete curvas consideradas críticas, e restauração da pista existente.

A pista nova terá duas faixas de rolamento de 3,60 m cada, em sentido único, e acostamento externo de 2,50 m, separada da pista atual por um canteiro central de 7 m a 9 m de largura e faixa de segurança de 60 centímetros de cada lado, na maior parte do trecho. No local onde não será possível o canteiro, as pistas serão separadas por barreira rígida de concreto New Jersey, com faixa de segurança interna de 1 metro de largura em cada lado.

O início dos serviços sofreu um pequeno atraso no ano passado, enquanto eram providenciados estudos exigidos pelo Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (IPHAN) para investigação de um sítio arqueológico na região, além do levantamento de fauna exigido pelo Instituto Água e Terra (IAT). A questão do IPHAN já foi resolvida e a obra conta com aprovação para liberação e execução.

Atualmente dois trechos da rodovia estão recebendo as melhorias, enquanto um trecho de maior extensão deve ser liberado em breve pelo IAT. Neste local foram realizadas duas campanhas de levantamento de fauna, conforme exigência do IAT, cujo relatório será enviado ao órgão ambiental para análise. A liberação permitirá a abertura de mais uma frente de trabalho, garantindo maior ritmo à obra.

Avanço Na Região Norte

O DER/PR também assinou recentemente o contrato da obra de conservação e manutenção de 434,46 quilômetros de rodovias estaduais das regiões Norte e Vale do Ivaí, um investimento de R$ 40.566.460,79 que vai beneficiar 23 municípios.

Este lote inclui a PR-445 de Londrina a Mauá da Serra e do distrito de Warta até Bela Vista do Paraíso; as rodovias ligando Mauá da Serra até Ivaiporã, incluindo trecho no território de Manoel Ribas (região Centro); a PR-170, de Rolândia até a ponte sobre o Rio Paranapanema, em Porecatu; a PR-340 de Jaguapitã até o acesso para Santo Inácio (região Noroeste); e a PR-090, de Bela Vista do Paraíso até Porto Capim.

AEN

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.