Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Operações nos trechos concedidos devem ser iniciadas em até 30 dias

Estão assinados os contratos de concessão referentes aos Lotes 1 e 2 de Rodovias do Paraná. A cerimônia que marcou a transferência dos sistemas rodoviários ocorreu ontem (30), no Palácio do Planalto. Com investimentos estimados em mais de R$ 30,4 bilhões ao longo de 30 anos, as duas empresas responsáveis estão autorizadas a iniciar as operações nos trechos em até 30 dias.

No total, são 1078 km concedidos em um programa que envolve diversas rodovias estaduais e federais. A documentação foi assinada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e pelas duas empresas vencedoras dos certames: a Infraestrutura Brasil Holding XXI S.A., que assume o Lote 1 e gerenciará o ativo como concessionária Via Araucária, e o Consórcio Infraestrutura PR, que administrará o Lote 2 com o nome de EPR Litoral Pioneiro.

Até então, as rodovias não tinham concessionárias responsáveis, uma vez que as concessões estaduais foram encerradas em novembro de 2021. "Com o início das operações, o Paraná se prepara para uma transformação significativa na infraestrutura rodoviária, beneficiando todos os que trafegam pela região. Estradas mais modernas e bem conservadas impulsionarão o transporte de cargas, fortalecendo a logística e beneficiando as empresas locais. O turismo também ganhará, com a circulação facilitada dos turistas para explorar o que o Estado tem a oferecer”, destacou Rafael Vitale, diretor-geral da ANTT.

No Lote 1, que abrange 473 km de rodovias no Paraná, estão previstos investimentos de R$ 13,1 bilhões. Essa concessão visa conectar o porto de Paranaguá à Região Metropolitana de Curitiba e à Ponte da Amizade, na fronteira com o Paraguai. Entre as melhorias planejadas estão a duplicação de 344 km de rodovias, a adição de 81 km de faixas extras e a construção de 38 km de terceiras vias, dentre outros.

Já no Lote 2, que abrange quase 605 km de rodovias, incluindo BRs-153/277/369 e PR-092/151/239/407/408/411/508/804/855, serão investidos mais de R$ 17,3 bilhões. A concessão conectará pontos estratégicos, como o Porto de Paranaguá e a Região Metropolitana de Curitiba. As melhorias incluem, por exemplo, a duplicação de 350 km de rodovias, a adição de 139 km de faixas extras e a construção de vias marginais desafiadoras, como na Serra do Mar.

Trabalhos iniciais

A operação dos Lotes 1 e 2 terá início em até 30 dias após a assinatura, oferecendo atendimentos médicos e mecânicos, além de monitoramento das vias por meio de centros de controle. Com isso, as concessionárias poderão realizar intervenções emergenciais no pavimento para remover imperfeições, como buracos e trilhas de roda, visando à segurança dos usuários. Também será realizada a recomposição da sinalização defeituosa. Os serviços imediatos devem ser realizados dentro do primeiro ano de concessão.

As concessionárias já iniciaram alguns serviços com pré-autorizações nos trechos concedidos, realizando reformas em edificações operacionais e praças de pedágio. Portanto, têm condições de encurtar o prazo para o início das operações. "Quem trafegar pelas rodovias perceberá as mudanças nos primeiros dias de operação, com os atendimentos mecânicos e médicos. O usuário poderá contatar a concessionária, demandar os serviços, e estas já estarão monitorando para garantir a segurança de tráfego e atendimentos", explica Marcelo Fonseca, superintendente de Concessão da Infraestrutura da ANTT.

No primeiro ano de concessão dos dois lotes, está previsto um investimento de R$ 1,1 bilhão em diversas obras, como a reforma e construção de edificações operacionais, bases de serviço para atendimentos e a modernização das praças de pedágio. Os planos incluem a construção ou adaptação de centros de controle operacional para o eficiente monitoramento da rodovia, com a aquisição de veículos, equipamentos, sensores, câmeras, ambulâncias e carros de monitoramento. A estimativa é que essas concessões gerem quase 192 mil postos de trabalho, impulsionando o crescimento econômico da região.

Operação das Praças

A cobrança nas praças de pedágio já existentes nos Lotes 1 e 2 do Paraná ocorrerá após a revitalização completa, sujeita à vistoria técnica da ANTT. As concessionárias já iniciaram serviços pré-operacionais, como restauração nas Bases de Apoio Operacional e praças de pedágio, além da instalação de antenas para sistemas de comunicação. Após a conclusão das obras, as empresas acionarão a Agência para a vistoria. Portanto, ainda não é possível prever o início do pagamento das tarifas, dependendo da etapa de recuperação das estruturas.

As tarifas seguirão a tabela do edital, com desconto oferecido pelas empresas vencedoras e ajuste referente à inflação. A Infraestrutura Brasil Holding XXI S.A. concedeu desconto de 18,25% sobre a tarifa básica de pedágio no Lote 1, com aporte adicional de R$ 25 milhões. No Lote 2, o Consórcio Infraestrutura PR apresentou desconto de 0,08% sobre a tarifa básica. Os cálculos serão divulgados após vistoria e antes do início da cobrança. Nos locais em que estão previstas praças, mas ainda não existem, a cobrança ocorrerá após a construção, que deve ser realizada ao longo do primeiro ano de concessão.

Fiscalização

O acompanhamento e fiscalização das novas concessões nos Lotes 1 e 2 do Paraná ficarão a cargo da ANTT, que possui uma unidade regional no estado há aproximadamente dois anos. A unidade foi instalada especificamente em antecipação ao início dessas concessões, proporcionando a estrutura necessária para um eficaz acompanhamento. A equipe será responsável por monitorar as obrigações das concessionárias, realizar visitas de campo, avaliar a execução, analisar metas e garantir a qualidade do serviço prestado.

Asimp/ANTT

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.