Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O deputado estadual Anibelli Neto (MDB) apresentou na quarta-feira (18), na Assembleia Legislativa do Paraná, o Projeto de Lei 873/2023, que estabelece a obrigatoriedade das empresas de beneficiamento e comércio de laticínios informar aos produtores de leite o valor pago pelo produto até o dia 15 de cada mês. A proposta tem como objetivo promover a precificação justa do leite e garantir transparência nas relações comerciais entre produtores rurais e indústrias de laticínios.

De acordo com o texto do projeto, as empresas de beneficiamento e comércio de laticínios que não cumprirem a lei estarão sujeitas a penalidades, sendo obrigadas a pagar o maior preço praticado no mercado. O preço informado deve obedecer aos critérios estabelecidos pelo Conselho Paritário Produtores/Indústrias de Leite do Estado do Paraná (Conseleite/PR), sendo calculado a partir do valor médio da matéria-prima, levando em consideração os preços de venda das indústrias participantes do conselho.

O projeto também prevê a possibilidade de utilização do preço de referência médio estadual, com livre adesão por parte dos produtores rurais e da indústria, desde que não seja pago um valor inferior ao divulgado para o leite padrão, estabelecendo um valor mínimo para o litro de leite. O não cumprimento das regras resultará em multas revertidas ao Fundo de Desenvolvimento da Agropecuária do Paraná (FUNDEPEC).

O deputado Anibelli Neto fundamentou sua proposição considerando a importância da indústria de laticínios no Paraná, o segundo maior produtor de leite do Brasil, com 4,4 bilhões de litros produzidos em 2022, gerando um Valor Bruto de Produção (VBP) de R$ 11,4 bilhões segundo o Departamento de Economia Rural (Deral). Além disso, o Brasil é o terceiro maior produtor mundial de leite, com mais de 34 bilhões de litros por ano, sendo a produção distribuída em 98% dos municípios brasileiros, com predominância de pequenas e médias propriedades.

A iniciativa de apresentar o projeto, conforme destacou Anibelli Neto, teve origem em uma audiência pública realizada no dia 10 de outubro na Assembleia Legislativa, na qual produtores rurais expuseram suas preocupações e demandas relacionadas à crise do leite no Paraná, incluindo reclamações sobre a venda "no escuro", na qual entregam o produto sem saber se, no final do mês, o pagamento cobrirá os custos da produção. "Após ouvir as necessidades desses produtores, desenvolvemos este projeto de lei como uma resposta concreta para assegurar transparência e justiça nas transações comerciais entre os produtores de leite e as indústrias de laticínios". A proposta busca amparar os produtores e dar segurança na transação, explicou o parlamentar.

Além disso, o deputado destacou que iniciativas semelhantes já estão em vigor em outros estados brasileiros, como em Rondônia e Santa Catarina, e que uma normativa federal, sancionada pelo ex-presidente Michel Temer, também respalda a proposta apresentada. “A nossa proposta representa não apenas um avanço na legislação, mas também um passo significativo para a valorização e o respeito ao produtor rural, reconhecendo o papel fundamental desempenhado por eles no progresso e desenvolvimento do Estado do Paraná”, defendeu Anibelli Neto.

ALEP

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.