Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O deputado estadual Cobra Repórter (PSD) apresentou um projeto de lei na terça-feira (20), na Assembleia Legislativa, que visa garantir o direito das mulheres vítimas de violência, tentativa de feminicídio e outros crimes contra a vida, decorrentes de razões de gênero, a serem atendidas por mulheres em Delegacias de Polícia no Estado do Paraná.

Segundo o texto do projeto, as Delegacias deverão contar com, no mínimo, uma servidora pública do sexo feminino, capacitada para o atendimento humanizado e especializado dessas vítimas. “Minha sugestão é que esta proposta de lei seja intitulada como ‘Lei Claudia Ferraz’, em homenagem à empresária londrinense que foi assassinada pelo namorado, em Londrina, após ser esfaqueada durante uma briga”, destacou o deputado Cobra Repórter.

O atendimento previsto pelo projeto deverá observar princípios fundamentais, como o respeito à dignidade, à intimidade, à privacidade e à autonomia da mulher. Também será assegurada a garantia de sigilo e confidencialidade das informações prestadas, com o objetivo de prevenir e reduzir o risco de revitimização.

O projeto destaca a importância da promoção da cidadania, da igualdade e da não discriminação da mulher no atendimento oferecido pelas Delegacias de Polícia. Além disso, propõe que as delegacias fixem cartazes informativos em locais visíveis e de fácil acesso, informando sobre o direito das mulheres vítimas de violência serem atendidas por mulheres, bem como disponibilizando os telefones e endereços dos serviços de assistência jurídica, social e psicológica disponíveis na rede de atendimento à mulher.

O texto ainda aguarda discussões e votação na Assembleia Legislativa do Paraná. Caso seja aprovado, a lei entrará em vigor na data de sua publicação, cabendo ao Poder Executivo a regulamentação da mesma.

Meire Bicudo e Veruska Barison/Asimp

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.