Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

As regiões metropolitanas do Paraná cresceram acima da média nacional (6,5%), segundo os dados do Censo 2022. A variação foi de 8,86% a 18,89%. Essa é uma das grandes constatações da pesquisa mais recente do IBGE.

As regiões metropolitanas do Paraná cresceram acima da média nacional (6,5%) e do próprio Estado (9,56%), segundo os dados do Censo 2022, publicado ontem (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2022, 124,1 milhões de pessoas viviam em concentrações urbanas no Brasil, que são arranjos populacionais formados por municípios com forte integração, geralmente conurbados. Essa é uma das grandes constatações da pesquisa mais recente.

Na Região Metropolitana de Maringá, por exemplo, a população dos 26 municípios passou de 713.650 para 848.450, um aumento de 18,89%. Destacam-se, na região, os crescimentos de Floresta (76,33%) e de Mandaguaçu (69,03%). Em 12 anos, a cidade de Maringá teve aumento populacional de 14,7%, saltando de 357.077 para 409.657 pessoas.

A Região Metropolitana de Cascavel, composta por 24 municípios, passou de 488.181 habitantes para 559.732, crescimento de 14,66%, com destaque para o município de Cafelândia, que cresceu 29,57%. O município de Cascavel chegou a 348.051 habitantes, contra 286.177 no Censo de 2010, um salto de 6,45%.

A Região Metropolitana de Curitiba foi a que mais cresceu em números absolutos. Passou de 3.223.836 habitantes para 3.559.366, um crescimento total de 335.530 habitantes, quase uma Cascavel, ou 10,41%. Está na RMC de Curitiba inclusive o município que mais cresceu no Paraná, Fazenda Rio Grande, que viu sua população aumentar 82%. A capital registrou aumento de 1,2%, de 1.751.907 para 1.773.733.

A Região Metropolitana de Londrina foi a única que cresceu menos que a média do Paraná. Juntos, os 25 municípios cresceram 8,86%, com destaque para Sabáudia, com aumento populacional de 44%. Londrina chegou a 555.937 pessoas, ante 506.701 do levantamento anterior, um aumento de 9,7%. Ela continua sendo a segunda maior cidade do Paraná.

Para o secretário de Estado das Cidades (Secid), Eduardo Pimentel, esses números mostram que o Poder Público precisa ter um olhar especial sobre as regiões metropolitanas. “O crescimento populacional nas cidades das regiões metropolitanas é uma realidade. Por isso, Secid, Paranacidade e Agência de Assuntos Metropolitanos (Amep) têm trabalhado de forma integrada para encontrar ações soluções conjuntas no transporte coletivo, na saúde, segurança, zoneamento urbano, meio ambiente e geração de empregos”, afirmou.

Uma das estratégias são os Planos de Desenvolvimento Urbano Integrado (PDUI’s) das regiões metropolitanas de Londrina, Maringá e Cascavel. O PDUI tem como objetivo abordar temas de interesse público compartilhados entre os municípios, como planejamento territorial, mobilidade metropolitana, meio ambiente, recursos hídricos, habitação de interesse social e desenvolvimento social e econômico.

A elaboração desse planejamento é uma exigência do Estatuto da Metrópole (Lei Federal 13.089/2015), que busca orientar o desenvolvimento sustentável das regiões metropolitanas. Eles estão na Agência de Assuntos Metropolitanos (Amep), que trabalha na consolidação do PDUI de Curitiba e região. O contrato com a empresa responsável já foi assinado e já estão sendo feitas visitas técnicas a todos os municípios da RMC.

“Esses dados reforçam a necessidade e importância de uma atuação conjunta entre municípios e Estado. E um exemplo desta atuação tem sido na contratação e entrega dos Planos de Desenvolvimento Urbano Integrado - PDUI, das regiões de Londrina, Maringá e Cascavel, e agora de Curitiba”, diz o presidente da Amep, Gilson Santos.

A Secretaria de Cidades tem todo um cardápio de obras de infraestrutura urbana voltado aos municípios. Além disso, recentemente, em uma parceria com o BRDE, foram disponibilizados mais de R$ 500 milhões em uma carteira específica no Programa Paraná Pró-Cidades para os maiores municípios do Estado.

Os recursos são voltados a investimentos em energia renovável, água e saneamento, saúde, mobilidade urbana, infraestrutura social e urbana, agricultura sustentável, cidades sustentáveis, eficiência energética, educação, gestão de resíduos sólidos, inovação, turismo, patrimônio cultural, inclusão financeira e mercado de trabalho.

Acesse os principais resultados, gráficos e mapas no site Panorama do Censo 2022.

AEN

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.