Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Medida foi necessária para garantir a segurança da barragem e o fornecimento de energia para o Brasil e Paraguai. Com as previsões atuais, a abertura não deve causar inundações adicionais usina abaixo

Depois de seis meses, a Itaipu Binacional voltou a abrir, ontem (1º), às 2h01, o vertedouro da usina, para escoar o excedente de água não usada para a produção de energia. A operação foi necessária para garantir a segurança da barragem e o fornecimento de energia para o Brasil e Paraguai. A Itaipu vem monitorando a cheia do Rio Iguaçu e adotou a medida avaliando o regime de chuvas nas bacias do Rio Iguaçu e do Rio Paraná. O vertimento deve ser ininterrupto pelo menos nos próximos sete dias.

Pela manhã, a Itaipu chegou a verter 1,4 milhão de litros de água por segundo. Neste momento, a usina opera normalmente, na cota 219,23 acima do nível do mar, e produzindo quase 11 mil megawatts.

Há previsão de chuvas intensas até amanhã (3) na região da fronteira do Brasil com o Paraguai e na bacia do Rio Iguaçu. Há mais de 20 dias chove na cabeceira do Rio Iguaçu, que chegou a registrar uma vazão de 24 mil metros cúbicos por segundo (m³/s), quase 20 vezes a mais do que o normal.

Com o excesso de chuva também no Rio Paraná, a Itaipu aguardava o recuo de pico do Rio Iguaçu para abrir o vertedouro. O superintendente de Operação da Itaipu, Rodrigo Pimenta, tranquilizou a população ribeirinha.

"Com base nas previsões atuais, a abertura não deve causar inundações adicionais. No entanto, em função das chuvas previstas para quinta-feira e sexta-feira, recomendamos que à população atingida não retorne para suas casas até que a situação se normalize”, afirmou Pimenta. Mesmo com o escoamento pelas comportas, o nível do Rio Paraná na região da Ponte da Amizade, em Foz do Iguaçu (PR), deve se manter inferior ao que foi registrado no pico da cheia, quando o chegou 119 metros acima do nível do mar.

A Comissão Especial de Cheias da Itaipu (CEC) permanece mobilizada para dar toda a assistência às famílias atingidas pelas inundações, mitigar os impactos para a população ribeirinha e manter o fornecimento de energia elétrica para o Brasil e Paraguai.

População atingida

No lado paraguaio, cerca de 400 famílias ribeirinhas estão sendo assistidas pela Itaipu em diferentes bairros. O mais afetado é o San Rafael, em Ciudad del Este, com cerca de 140 casas atingidas. A maioria está em albergues mantidos pela Itaipu, outras foram para casa de familiares e amigos(as). Todas as pessoas estão sendo orientadas a aguardar a situação voltar ao normal para retornar aos seus lares. No lado brasileiro, foram impactados alguns pontos como o Iate Clube Cataratas e o porto de areia, no bairro Porto Meira. Apenas uma família, que vive nas imediações do antigo Espaço das Américas, precisou ser desalojada.

Comissão de Cheias

Mobilizada desde sábado (28), a Comissão Especial de Cheias analisa todos os cenários possíveis para adotar as melhores estratégias no momento, que tragam menores impactos para a população e garantam a segurança da barragem.

A usina de Itaipu é uma hidrelétrica que funciona a fio d’água, com um reservatório pequeno proporcionalmente à sua capacidade de produção de energia elétrica. A água que chega das cerca de 50 usinas localizadas a montante do Rio Paraná é usada para a geração de energia.

A binacional emite boletins hidrológicos diários, que são repassados aos órgãos de Defesa Civil do Brasil e do Paraguai e podem ser consultados no link: https://www.itaipu.gov.br/sites/default/files/HIDROLOGIAPY/BH.pdf.

Asimp/Itaipu

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.