Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O líder do Podemos, senador Oriovisto Guimarães, recebeu, na segunda-feira(29/5), mais um apoio de peso à PEC 46/2022, de sua autoria, que promove a reforma tributária simplificando as leis que regem impostos estaduais e municipais: o do setor de serviços. Convidado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), o senador ouviu dos diretores e do jurista Ives Gandra Martins críticas às PECs defendidas pelo governo. “Temos discutido a reforma há muito tempo e um dos grandes erros das propostas em tramitação é rebatizar nomes dentro do sistema tributário. É inviável apoiar as PECs 45 e 110. A PEC 46/22 é muito superior às outras propostas”, disse Ives Gandra.

Ao lado do jurista; do presidente em exercício da FecomercioSP, Ivo Dall´Acqua; do Presidente do Conselho de Assuntos Tributários (Cat),Márcio Olívio Fernandes da Costa, e do diretor do Simplifica Já, Alberto Macedo, o senador Oriovisto Guimarães endossou as críticas: “Durante dois anos briguei no Congresso contra as PECs 45 e 110, porque, além de não haver números pra comprovar a eficácia das propostas, elas precisam de muita regulamentação para virar realidade. Só a PEC 110 depende de 154 interferências na Constituição”.

O líder do Podemos também ponderou que o custo de setores como serviços e agricultura vai aumentar se as PECs forem aprovadas: “A PEC 45 propõe juntar cinco impostos para criar o IBS (imposto sobre bens e serviços), também conhecido como IVA, que deve ficar em torno de 25%. Ou seja, o comércio vai pagar indiretamente o IPI(Imposto sobre Produtos Industrializados), porque a alíquota vai estar embutida na soma de impostos. Uma escola particular que paga pouco mais de 8% de tributos vai pagar 25%. Governadores e prefeitos vão perder a autonomia, porque passam a ser ordenadores de despesas. E o poder político estará concentrado no governo Federal”.

Ao defender a aprovação da PEC 46, Oriovisto disse que, ao unificar as legislações do ICMS e do ISS, a autonomia dos entes da Federação será preservada e não haverá aumento de tributos: “Já me reuni com prefeitos, parlamentares da Frente Parlamentar da Agropecuária(FPA) e representantes de outros setores, e a maioria não concorda com as PECs 45 e 110, mas como não podemos desprezar a força do rolo compressor do governo, nada substitui a pressão da sociedade. E é preciso convencer os parlamentares de que as propostas em discussão não vão resolver o caos tributário no País”, disse o senador sob aplausos.

Ascom/Senador Oriovisto Guimarães

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.