Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (1Rs 12,26-32;13,33-34)

Leitura do Primeiro Livro dos Reis.

Naqueles dias, 12,26 Jeroboão refletiu consigo mesmo: ‘Como estão as coisas, o reino vai voltar à casa de Davi. 27 Se este povo continuar a subir ao templo do Senhor em Jerusalém, para oferecer sacrifícios, seu coração se voltará para o seu soberano Roboão, rei de Judá; eles me matarão e se voltarão para Roboão, rei de Judá”.

28 Depois de ter refletido bem, o rei fez dois bezerros de ouro e disse ao povo: “Não subais mais a Jerusalém! Eis aqui, Israel, os deuses que te tiraram da terra do Egito”. 29 Colocou um bezerro em Betel e outro em Dã. 30 Isto foi ocasião de pecado, pois o povo ia em procissão até Dã para adorar um dos bezerros.

31 Jeroboão construiu também templos sobre lugares altos, e designou como sacerdotes homens tirados do povo, que não eram filhos de Levi. 32 E instituiu uma festa no dia quinze do oitavo mês, à semelhança da que era celebrada em Judá. E subiu ao altar. Fez a mesma coisa em Betel, para sacrificar aos bezerros que havia feito. E estabeleceu em Betel sacerdotes nos santuários que tinha construído nos lugares altos.

13,33 Depois disso, Jeroboão não abandonou o seu mau caminho, mas continuou a tomar homens do meio do povo e a constituí-los sacerdotes dos santuários dos lugares altos. Todo aquele que queria era consagrado e se tornava sacerdote dos lugares altos. 34 Esse modo de proceder fez cair em pecado a casa de Jeroboão e provocou a sua ruína e o seu extermínio da face da terra.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Responsório Sl 105(106),6-7a.19-20.21-22 (R. 4a)

— Lembrai-vos, ó Senhor, de mim lembrai-vos; segundo o amor que demonstrais ao vosso povo.

— Lembrai-vos, ó Senhor, de mim lembrai-vos; segundo o amor que demonstrais ao vosso povo.

— Pecamos como outrora nossos pais, praticamos a maldade e fomos ímpios; no Egito nossos pais não se importaram com os vossos admiráveis grandes feitos.

— Construíram um bezerro no Horeb e adoraram uma estátua de metal; eles trocaram o seu Deus, que é sua glória, pela imagem de um boi que come feno.

— Esqueceram-se do Deus que os salvara, que fizera maravilhas no Egito; no país de Cam fez tantas obras admiráveis, no Mar Vermelho, tantas coisas assombrosas.

Evangelho (Mc 8,1-10)

— Aleluia, Aleluia, Aleluia.

— O homem não vive somente de pão, mas de toda palavra da boca de Deus. (Mt 4,4b)

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.

— Glória a vós, Senhor.

1 Naqueles dias, havia de novo uma grande multidão e não tinha o que comer. Jesus chamou os discípulos e disse: 2 “Tenho compaixão dessa multidão, porque já faz três dias que está comigo e não têm nada para comer. 3 Se eu os mandar para casa sem comer, vão desmaiar pelo caminho, porque muitos deles vieram de longe”.

4 Os discípulos disseram: “Como poderia alguém saciá-los de pão aqui no deserto?” 5 Jesus perguntou-lhes: “Quantos pães tendes?” Eles responderam: “Sete”.

6 Jesus mandou que a multidão se sentasse no chão. Depois, pegou os sete pães, e deu graças, partiu-os e ia dando aos seus discípulos, para que o distribuíssem. E eles os distribuíram ao povo.

7 Tinham também alguns peixinhos. Depois de pronunciar a bênção sobre eles, mandou que os distribuíssem também. 8 Comeram e ficaram satisfeitos, e recolheram sete cestos com os pedaços que sobraram.

9 Eram quatro mil, mais ou menos. E Jesus os despediu. 10 Subindo logo na barca com seus discípulos, Jesus foi para a região de Dalmanuta.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Ouça a Homilia

Jesus é o alimento que fortalece a sua vida

 “Naqueles dias, havia de novo uma grande multidão e não tinha o que comer. Jesus chamou os discípulos e disse: ‘Tenho compaixão dessa multidão, porque já faz três dias que está comigo e não têm nada para comer’” (Marcos 2,1-2).

O Evangelho de hoje, mais uma vez, coloca-nos diante da iniciativa amorosa e misericordiosa de Deus para com o Seu povo. Jesus, que ao olhar aquela multidão que há dias O seguia, não a deixou partir sem o alimento, sem se alimentar, pois já estava até enfraquecida pelos dias que passou ali em busca do Senhor.

Esse milagre não parte de um pedido do povo, mas é o próprio Jesus que descobre, ali, através do Seu olhar amoroso, que aquelas pessoas estavam necessitadas.

Como é bonito perceber, no Evangelho de hoje, que Jesus sentiu compaixão daquela multidão faminta. O grande amor que Ele sempre tem pelas pessoas necessitadas. Jesus tem uma atenção extraordinária para com as nossas necessidades e Ele jamais desampara o Seu povo. Jesus jamais nos desamparará!

Quando buscamos Jesus, podemos ter a certeza de que seremos fortalecidos, porque Ele mesmo se fez alimento

Jesus, em seu amor, é capaz de utilizar-se do nosso nada, da nossa insuficiência, do nosso pouco que temos para socorrer e manifestar o Seu amor. Jesus usou aquilo que os discípulos tinham: pouquíssimo.

Nesse concreto milagre da multiplicação dos pães e dos peixes, podemos admirar esse concreto amor de Deus por cada um de nós; continuamos a ser essa multidão faminta, não apenas do alimento material, do pão, mas também faminta d’Ele, o próprio alimento. Jesus que se tornou alimento para saciar a nossa fome de eternidade, veio para saciar cada um de nós.

Em Jesus somos amados, somos alimentados e sustentados para continuar a nossa jornada, que é longa. Estamos aqui de passagem, caminhando para o céu, mas Jesus veio para ser o nosso sustento, para demonstrar o Seu amor e para dizer que não estamos sozinhos.

Quando buscamos Jesus, podemos ter a certeza de que seremos fortalecidos, porque Ele mesmo se fez alimento, Ele mesmo se fez a nossa força.

Sobre você, desça a bênção do Deus Todo-poderoso. Pai, Filho e Espírito Santo. Amém!

Padre Bruno Antonio de Oliveira é Brasileiro, nasceu no dia 18/10/1987, em Lavras, MG. É Membro da Associação Internacional Privada de Fieis – Comunidade Canção Nova, desde 2012 no modo de compromisso do Núcleo.

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.