Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Remessa com 75 mil itens foi enviada pelo Ministério da Saúde, atendendo a pedido feito pela Sesa. Foram solicitados analgésicos, antitérmicos e soro fisiológicos, além de insumos como agulhas, cateteres e seringas. Estado também segue colaborando com a região de Londrina, que concentra quase 30% dos casos confirmados.

Após pedido emergencial realizado pela Secretaria de Saúde ao Ministério da Saúde, o Paraná recebeu, ontem (05), insumos e medicamentos para auxiliar os municípios no enfrentamento da dengue, zika e chikungunya. O quantitativo é de cerca de 75 mil unidades.

A remessa será encaminhada para as regiões do Estado conforme critérios epidemiológicos, considerando os municípios que possuem maior número de casos de dengue e chikungunya. O reforço vai auxiliar no atendimento à alta demanda nos serviços de saúde. Foram solicitados medicamentos analgésicos, antitérmicos e soro fisiológicos, além de insumos como agulhas, cateteres e seringas.

“O Governo do Paraná está trabalhando incansavelmente para combater e reduzir os casos de dengue e chikungunya. É extremamente importante manter um diálogo junto ao governo federal para que possamos unir forças na prevenção e combate às arboviroses”, disse o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

A Sesa também realizou uma compra emergencial para aquisição de mais de 100 mil unidades de medicamentos, que devem ser entregues ao Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar) nos próximos dias. Esses insumos também serão distribuídos aos municípios.

Londrina

Também nesta sexta-feira, dando sequência a um encontro iniciado na quinta, equipes de vigilância em saúde do Estado e da prefeitura de Londrina se reuniram e reforçaram que a parceria é uma das estratégias mais eficazes para combate à proliferação do mosquito Aedes aegypti. A reunião mostrou que a principal preocupação dos especialistas é a concentração de casos nos bairros de Londrina. O enfrentamento ao agravo passa pela conscientização da população, força tarefa de remoção de criadouros e, ainda, a utilização da nebulização espacial (fumacê).

“Precisamos pensar juntos, Estado e municípios, em estratégias de articulação, de mobilização e de ações eficazes. No caso específico de Londrina, acompanhamos a situação e prestamos o apoio necessário para evitar mais casos da doença”, disse Beto Preto.

A diretora da 17ª Regional de Saúde de Londrina, Maria Lúcia Lopes, acompanha o cenário epidemiológico do município, e ressalta a importância do trabalho conjunto para ações efetivas e resolutivas nesse combate. "Muito importante a parceria entre os profissionais para entenderem a realidade e o que está dando certo ou não”, disse. “Dos 21 municípios que abrangem a Regional, Londrina é o maior. Temos de focar em ações de prevenção para que até ao final do ano consigamos reverter o cenário”.

De acordo com o último boletim epidemiológico, divulgado na terça-feira (2), o Paraná possui 35.433 casos confirmados e 21 óbitos por dengue neste atual período epidemiológico, iniciado em agosto de 2022. A região de Londrina tem mais de 10 mil casos confirmados, respondendo por quase 30% do total do Estado. Com relação à chikungunya, são 283 casos confirmados e duas mortes no Paraná. 

Preocupação Nacional

Nesta semana, o Ministério da Saúde anunciou medidas de combate ao mosquito e lançou a campanha nacional para o combate das arboviroses. Com a mensagem “Brasil unido contra a dengue, zika e chikungunya”, a mobilização alerta sobre os sinais e os sintomas das doenças, além de formas de prevenção e controle do mosquito Aedes Aegypti. 

O Ministério confirmou ainda o recebimento de 275 mil litros de dois inseticidas utilizados contra o mosquito. Os produtos Fludora Co-Max e o Cielo são adquiridos por meio de compras internacionais internacionais. A partir da chegada ao Brasil e da tramitação legal, o governo federal iniciará a distribuição para os estados.

AEN

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.