Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Investimento do Governo do Estado e nova gestão pela Funeas são responsáveis pelo salto no desempenho. Número de cirurgias passou de cerca de 200 por mês para mais de 400, e deve chegar a 600. Outros avanços foram em internamento a atendimento ambulatorial.

Os investimentos feitos pelo Governo do Estado desde 2019 e a gestão a cargo da Fundação Estatal de Atenção em Saúde do Paraná (Funeas), há um ano e meio, permitiram ao Hospital Zona Sul de Londrina (HZSL) dar um salto em desempenho. A instituição dobrou a produção hospitalar e atingiu a maior média de cirurgias eletivas desde 1990, quando começou a funcionar.

Nos últimos anos o hospital vinha realizando cerca de 200 cirurgias mensais e, este ano, já registra mais de 400 procedimentos por mês, dando suporte aos 21 municípios da 17ª Regional de Saúde, e de toda a Macrorregião Norte, que concentra 97 cidades.

A meta do hospital é atingir, já a partir de junho, 600 cirurgias eletivas mensais com a abertura de mais uma sala cirúrgica, a quarta da unidade. Dentre os procedimentos estão cirurgia geral, pediátrica, fissura labiopalatal, plástica reparadora (orelhas e mamas), otorrinolaringologia, ginecologia, mastologia e vascular.

O Hospital Zona Sul de Londrina faz parte das unidades próprias do Estado. Desde 2019, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) realizou diversos investimentos para ampliar e melhorar o atendimento do hospital. Foram adquiridos monitores, carros de emergência, raio-x digital, autoclaves, torres de vídeo, videolaringoscópio portátil, aparelho de anestesia, computadores, ar-condicionado, televisores, freezers, camas elétricas e camas mecânicas, entre outros equipamentos, somando mais de R$ 1,5 milhão do Governo do Estado.

“Quando assumimos a secretaria o governador orientou expressamente que investíssemos na regionalização da saúde, e esses investimentos, especialmente nas unidades próprias, são a materialização da descentralização dos atendimentos e da aproximação dos serviços de saúde para mais perto da casa dos paranaenses”, afirma o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

A nova administração pela Funeas também possibilitou a contratação de 69 profissionais para atendimento multidisciplinar e o credenciamento de 100 médicos para prestação de serviços na unidade. Com isso, os investimentos para ampliação dos atendimentos e contratação de mais servidores totalizam quase R$ 6 milhões do governo estadual, além do custeio mensal da unidade.

A psicóloga Erika Ribeiro, de 33 anos, passou por uma cirurgia para retirada de pedras na vesícula e falou sobre a experiência com o hospital. “Fui diagnosticada há dois anos e o atendimento de toda a equipe do Hospital Zona Sul foi ótimo. Só tenho a agradecer aos profissionais que desempenham esse trabalho tão importante. Durante todo esse tempo que eu precisei sempre fui muito bem atendida”, disse.

Internamentos

Além do recorde em cirurgias eletivas, o hospital também aumentou o número de internamentos e atendimentos no pronto-socorro. No início do ano, foram registradas 500 internações e 1,8 mil atendimentos. No mês passado, a unidade já registrou aumento, chegando a 770 internações e 2,4 mil atendimentos, respectivamente.

Ambulatorial

Outro avanço para assistência na região foi a disponibilidade de atendimento ambulatorial. O ambulatório do HZSL tinha apenas uma sala de atendimento e fazia aproximadamente 200 consultas ao mês. A reorganização feita pela nova gestão da unidade permitiu a abertura de cinco salas e os atendimentos no ambulatório já passam de 2 mil por mês.

“Foi necessário um envolvimento muito grande de toda a equipe. Fizemos adequações na disposição das salas para possibilitar os cinco consultórios que temos hoje, ofertando uma resposta mais rápida para a população”, afirma o diretor-geral do HZSL, Geraldo Júnior Guilherme.

Em abril deste ano o ambulatório do hospital fez 48 procedimentos, referente à demanda de pequenas cirurgias, especialmente aquelas que precisam de investigação por biópsia como, por exemplo, cistos sebáceos, lesões de pele, verrugas, pequenos lipomas e lesões de pele para investigação de câncer. Os procedimentos são realizados por dois cirurgiões com especialização em oncologia.

Em maio, a unidade já ampliou a oferta para, pelo menos, 80 procedimentos. Somente neste sábado (20) foram 25 agendamentos que resultaram em 19 atendimentos, sendo 13 pequenas cirurgias e, destas, nove encaminhamentos para biópsia.

Geverson Carlos Braz Vicente, de 38 anos, passou por retirada de um cisto sebáceo neste fim de semana e comemorou com um depoimento em versos. “Agradeço muito a todos os profissionais que aqui estão, o tempo de espera não foi muito não, para o meu problema com certeza eu tive solução. Eu posso acreditar que agora a vida pra frente com felicidade eu vou poder levar”, completa.

Hospital

O HZSL atende a média complexidade e participa de quatro linhas de cuidados prioritários da Sesa: saúde mental, saúde do idoso com cuidados paliativos, pós-Covid-19 e cirurgias eletivas. O hospital oferta, ainda, as seguintes especialidades: clínica geral, cardiologia, pneumologia, vascular, psiquiatria, infectologia, nefrologia e pediatria.

A estrutura é formada por 115 leitos, sendo 75 enfermarias (10 exclusivos para atendimento psiquiátrico), 26 leitos cirúrgicos e 14 pediátricos. A unidade também é referência em atendimentos para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma.

AEN

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.