Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Saúde 20/01/2023  13h49

Londrina institui o mês de maio para ações sobre a saúde mental materna

Intenção é incentivar a promoção de ações e atividades para falar sobre o bem-estar e a saúde mental das gestantes e puérperas

Nesta quinta-feira (19), às 10h30, o prefeito Marcelo Belinati divulgou a Lei Municipal nº 1.3464/2022, que instituiu o mês Maio Furta-cor, dedicado às ações de conscientização, incentivo ao cuidado e promoção da saúde mental materna. De autoria das vereadoras Flávia Cabral, Lenir de Assis e Daniele Ziober, a norma municipal está publicada no Jornal Oficial do Município nº 4.722.

A ideia é estimular ações de conscientização ao cuidado e à promoção da saúde mental materna, por meio de palestras, cursos, oficinas, seminários e distribuição de material informativo. Essa ação surgiu em Curitiba (PR), em 2021, e já existe em 23 estados brasileiros.

Segundo a vereadora Flávia Cabral, o Maio Furta-cor é uma campanha democrática, apartidária e sem fins lucrativos. “Ela tem um objetivo lindo, que é sensibilizar a população para uma causa muito importante, que envolve a saúde mental materna. Nós trouxemos esse assunto à Câmara de Vereadores para que envolvesse a discussão e fizéssemos um projeto municipal para solidificarmos essa política pública e torná-la perene, porque sabemos que existe um forte estigma social ligados aos temas da saúde mental, que precisamos debater”, elucidou Cabral.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 10% das grávidas e 13% das puérperas no mundo apresentam um transtorno mental, sendo que a depressão pós-parto pode atingir de 10 a 20% das puérperas.

No Brasil, em cada quatro mulheres, mais de uma apresenta sintomas de depressão no período de 6 a 18 meses após o nascimento do bebê segundo o estudo Factors associated with postpartum depressive symptomatology in Brazil: The Birth in Brazil National Research Study, 2011/2012, realizado pela pesquisadora Mariza Theme, da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp/Fiocruz). “Essa é uma iniciativa muito bonita, porque muitas mulheres apresentam sintomas de depressão depois do nascimento de seus bebês e ter uma rede de apoio e orientação é muito importante para ajudá-las. Orientei as mulheres do grupo Maio Furta-Cor Saúde Mental Importa a buscarem a formalização para que outras pessoas também conheçam essa causa”, disse o prefeito Marcelo Belinati.

Além disso, de acordo com as estimativas do World Maternal Mental Health Day (WMMHD), sete em cada 10 mulheres ocultam ou minimizam os sintomas de problemas mentais ou de falta de bem-estar durante a gestação e o período do puerpério. Isso faz com que as mulheres corram o risco de não serem diagnosticadas quando em estado negativo de bem-estar, perdendo assim a oportunidade de identificar situações de ansiedade, estresse, depressão e outros problemas.

A psicóloga que trouxe a campanha Maio Furta-cor para a cidade de Londrina, em 2022, Ana Carolina Di Georgi, explicou que, atualmente, cerca de 15 a 20 mulheres integram o grupo londrinense. Elas reúnem-se em espaços como o SESC Cadeião, para rodas de conversa e palestras, e trocam informações em grupos de WhatsApp. “Somos um grupo de mulheres-mães, de diversas profissões, que viu a importância de conversar sobre a desconstrução da maternidade idealizada e a saúde mental das mães. Justamente por conversarmos com outras mães, nas portas das escolas, percebemos que temos muitas similaridades de vivência, de sentir a maternidade de forma solitária, de percebemos que nas propagandas e filmes tudo é muito idealizado e que a nossa realidade é outra, que além de mãe, somos mulheres, esposas e profissionais. A gente sentia a necessidade de falar sobre isso, mas não encontrava espaço, daí surgiu a necessidade de a gente trazer para Londrina e debatermos sobre isso”, explicou.

Para ela, com a sanção e divulgação da Lei Municipal nº 1.3464/2022 mais pessoas terão acesso à informação e começarão a pensar sobre o isso. “Esse é o nosso desejo: que isso seja fomentado na sociedade não só com as mães, porque elas são as primeiras a ouvir, mas que os pais e as outras pessoas que nunca tinham pensando nessa possibilidade de sofrimento, reflitam sobre isso”, considerou Di Georgi.

A escolha pelo mês de maio deu-se por este comemorar o Dia das Mães, tornando, assim, mais propensa a conversa sobre os temas relacionados à maternidade e suas consequências. Já o nome Furta-cor foi o selecionado porque a tonalidade varia de acordo com o feixe de luz que recebe, não tendo uma cor absoluta para o observador. Dessa maneira, a Furta-cor é semelhante à maternidade, que apresenta um espectro singular para cada mulher.

N.com

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.