Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Entre janeiro e setembro deste ano foram realizados 411.881 procedimentos cirúrgicos eletivos ambulatoriais e hospitalares no Paraná, uma média de 45,7 mil procedimentos por mês. O número é 17% maior do que a média de 2022, quando o Estado registrou cerca de 39 mil cirurgias mensais, num total de 468.450 durante todo o ano. Os dados são da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).

Há ainda, um período de 60 dias entre a realização dos procedimentos e a inserção dos dados no sistema, ou seja, se a média mensal permanecer, o Paraná poderá registrar cerca de 550 mil cirurgias este ano, superando os dados de 2019, quando o Estado registrou o maior número da história, com 509.733 procedimentos realizados.

Este aumento foi possível graças ao programa Opera Paraná, criado pelo Governo do Estado para acelerar a realização de procedimentos cirúrgicos eletivos e diminuir as filas de espera, com credenciamento de procedimentos em hospitais privados e filantrópicos.

Na primeira fase do programa, foram investidos R$ 150 milhões do Tesouro do Estado que resultaram em um incremento de 41% (de 331.787 para 468.450) no número de cirurgias realizadas entre 2021 e 2022.

Ricardo Ferreira de Melo, de 52 anos sofreu uma queda em 2020 e recebeu a indicação para cirurgia no joelho. Com a pandemia da Covid-19, ele precisou aguardar para realizar o procedimento no Hospital Zona Norte de Londrina, que integra as unidades próprias da Sesa. A cirurgia foi realizada em setembro deste ano.

“Se não fosse pelo SUS eu não teria condições de fazer a cirurgia. Desde o início fui muito bem atendido por todos do hospital e só tenho a agradecer. O Governo do Paraná está de parabéns com o atendimento na saúde”, disse.

“Vivemos um período muito duro com a Covid-19 porque precisamos paralisar essas cirurgias e hoje vivemos outro momento e o Governo do Estado saiu na frente com o Opera Paraná, incentivando hospitais parceiros a desafogar ainda mais a espera desses cidadãos paranaenses por procedimentos eletivos”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Agora, o Governo já anunciou mais R$ 150 milhões para a segunda fase do programa. A expectativa é que mais serviços de saúde possam se credenciar e realizar procedimentos que incluem as cirurgias de maior demanda no Estado: das vias aéreas e superiores, da face, da cabeça e do pescoço; do aparelho da visão; do aparelho digestivo; do sistema osteomuscular e do aparelho geniturinário.

Verônica Aparecida Rodacki Garcia, de 51 anos, é dona de casa e residente de Londrina. Ela operou as varizes após uma espera de dois anos. “Estou muito feliz com a cirurgia e com o serviço do SUS. Qualquer coisa que eu fizesse eu não aguentava de dor e hoje eu não sinto mais. Eu não tenho do que reclamar do SUS. Há 20 anos descobri um tumor e ainda faço um acompanhamento. Só tenho a agradecer”, disse.

Comboio Da Saúde 

Além dos investimentos no Opera Paraná, o Governo do Estado também destinou recursos específicos para a realização de procedimentos cirúrgicos eletivos de catarata e pterígio – as maiores demandas dentro da especialidade de oftalmologia. O programa Comboio da Saúde recebeu R$ 10,3 milhões do Tesouro do Estado que foram responsáveis pela oferta de quase 15 mil atendimentos nestas especialidades.

Tatiana Marassi Joanis, de 47 anos, é designer gráfica e reside em Iguaraçu, no Noroeste do Estado. Há alguns meses, mesmo com o uso de óculos de grau, ela percebeu que a visão estava prejudicada e procurou um serviço de saúde onde foi diagnosticada com catarata nos dois olhos. Tatiana foi inserida na fila de espera em setembro deste ano, e menos de um mês depois realizou a cirurgia no olho direito (dia 18 de outubro) e no olho esquerdo (dia 25 de outubro).

“Eu tinha muita dificuldade para realizar qualquer tipo de atividade, desde leitura, limpar casa e meu trabalho diário de designer gráfica. Quando recebi o diagnostico precoce de catarata, eu me desesperei, mas agora após mais de um mês desde as cirurgias eu já percebo uma melhora significativa, minha visão melhorou muito”, disse.

Fila De Espera

Segundo dados oficiais da Central de Acesso a Regulação do Paraná (Care), 55.378 pacientes possuem indicação de cirurgia eletiva no Estado e aguardam pelo procedimento. A posição da fila de espera pode ser consultada online, por meio do link: https://saudetransparente.sesa.pr.gov.br/. Além destes, há pacientes que estão em atendimento, seja para realização de consultas ou exames, para verificar se há indicação de cirurgia.

As informações do Care são preliminares e os pacientes são inseridos neste sistema pelas secretarias municipais de saúde, e a cirurgia é confirmada pelos prestadores dos serviços. Os municípios de gestão plena (como Curitiba) possuem sistemas próprios, e por este motivo, a maioria dos pacientes que residem nestas cidades são regulados pela própria secretaria municipal.

A Sesa estima que cerca de 200 mil paranaenses estejam aguardando por uma cirurgia eletiva. A fila exata destes procedimentos está sendo compilada em um programa de gestão que integre os sistemas do Estado, município e consórcios.

AEN

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.