Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Estudo realizado pela PUCPR Londrina, em parceria com Universidade da Austrália, procura voluntárias para avaliar relação entre o coronavírus e o desenvolvimento da gestação e da criança

Segundo estimativas do Ministério da Saúde, até maio de 2022, pelo menos 22 mil gestantes haviam sido infectadas pelo Coronavírus no Brasil. Professores e pesquisadores da Pontifícia Universidade Católica (PUCPR) Campus Londrina e da Universidade Monash, de Melbourne (Austrália), iniciaram uma pesquisa conjunta para medir o impacto da infecção por SARS-CoV-2 durante a gestação no desenvolvimento do feto e da criança.

Neste momento, a equipe local busca voluntárias, mulheres grávidas e que tiveram ou não COVID-19, para ampliar a amostra de mulheres e bebês. Professores e estudantes da PUCPR Londrina realizam o acompanhamento clínico multidisciplinar das voluntárias e das crianças. Participam todas as Escolas da Saúde: Medicina, Enfermagem, Fisioterapia, Psicologia, Psiquiatria e Neurologia. Já o grupo da Monash University (Melbourne, Austrália) investiga amostras de sangue e dados em busca de variantes da doença, anticorpos ou possíveis modificações no DNA (estudo epigenético).

A pesquisa tem estimativa inicial de 15 anos, sendo que nos primeiros cinco anos, as avaliações são anuais, depois acontecerão a cada cinco anos. Os resultados vão contribuir para o desenvolvimento de uma literatura médica sobre os efeitos ou sequelas do Coronavírus em longo prazo, por isso a PUCPR incentiva a investigação. “Algumas infecções virais e bacterianas, quando ocorrem durante a gestação, elevam o risco de transtornos do neurodesenvolvimento da criança. No caso da SARS-CoV-2, ainda precisamos conhecer os riscos e a incidência de efeitos negativos sobre as mães e os bebês”, afirma o coordenador do estudo, professor Dr. Paulo Bignardi.

Como funciona

As voluntárias inscritas são atendidas por uma equipe multidisciplinar que observa o neurodesenvolvimento dos bebês. Pelo menos 16 crianças já passaram pela avaliação dos primeiros três meses e seguem acompanhadas por pesquisadores de pediatria, psiquiatria e psicologia. Os especialistas fazem uma avaliação do crescimento da criança e buscam sinais de distúrbios do comportamento, de autismo ou Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH).

Procura-se voluntárias!

Interessadas entrar em contato com a equipe do Ambulatório de Medicina da PUCPR Câmpus Londrina pelo WhatsApp 43 99176-4221

Asimp/PUC

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.