Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Santuário de Nossa Senhora Aparecida, na Vila Nova em Londrina, abre as portas para a UBS Vila Nova realizar atividades de fisioterapia, conduzidas pela fisioterapeuta Flavia Guilherme Gonçalves Ziegler, promotora de saúde pública na unidade. O trabalho, realizado através do Centro Social Mãe Aparecida, será toda terça-feira, a partir do dia 09/05, das 8h15 às 9h, e é voltado a pessoas com dores musculoesqueléticas crônicas, ou seja, que apresentem dores há mais de seis meses, principalmente, em ombro, coluna, quadril e joelhos. A participação é gratuita.

Flavia explica que, além de apresentar dores crônicas musculoesqueléticas há mais de seis meses, é preciso ter um encaminhamento médico. “Para a inscrição, seria interessante comparecer até a UBS com o pedido médico e realizar uma consulta com a fisioterapeuta da unidade”, explica a fisioterapeuta. A UBS Vila Nova fica na R. Cabo Verde, 150. O telefone é (43) 3379-0771. “Por enquanto, não há limites para as inscrições, pois, teremos um amplo espaço para acolher os participantes. As atividades propostas são gratuitas por se tratar de uma ação proposta pela Unidade Básica de Saúde Vila Nova”, diz.

Formada em fisioterapia pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), especialista em Saúde da Família e mestre e doutora em Saúde Coletiva, tudo pela UEL, Flávia ressalta que será realizada cinesioterapia, que promove melhora da amplitude do movimento, além de flexibilidade e força. “O grupo de fisioterapia para dor crônica visa colaborar não somente com o alívio da dor, mas, também, promover a melhora da qualidade de vida, do bem-estar e da socialização”, observa a especialista.

Para Alex Souza, coordenador do Centro Social Mãe Aparecida, essa é uma atividade importante para a comunidade, para os moradores do bairro e para a cidade como um todo. “Nós queremos ofertar, através da nossa atividade social, serviços que possam ajudar a melhorar a saúde de todos, além dos trabalhos assistenciais que já realizamos”, ressalta Alex. De acordo com ele, o Centro Social Mãe Aparecida está de portas abertas para parcerias com outras instituições e universidades a fim de ofertar atendimentos gratuitos à população.

Fábio Luporini/Asimp

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.