Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em reunião técnica com os profissionais da 17ª Regional de Saúde, foi analisado o cenário epidemiológico dos municípios de abrangência, feito um balanço das medidas de controle vetorial nas cidades onde há mais casos confirmados e, ainda, a avaliação do uso do fumacê em algumas localidades.

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), não mede esforços no enfrentamento às doenças transmitidas pelo Aedes aegypti – dengue, chikungunya e zika. Uma equipe da Vigilância Ambiental da pasta esteve ontem (4) em Londrina, na região Norte, para mais uma força-tarefa voltada à análise do panorama e de ações de combate, principalmente, à dengue.

Em reunião técnica com os profissionais de saúde da 17ª Regional de Londrina, foi analisado o cenário epidemiológico dos municípios de abrangência da regional, feito um balanço das medidas de controle vetorial adotadas nas cidades onde há mais casos confirmados e, ainda, a avaliação do uso em algumas localidades da nebulização espacial – conhecida popularmente como fumacê.

 “A identificação de pontos críticos e necessidade de medidas de apoio podem fazer toda a diferença nos números de casos e contenção da doença. Estamos atentos e monitorando a situação. E estamos otimistas que daqui para frente a tendência é que os casos comecem a diminuir”, ressaltou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

As equipes das vigilâncias epidemiológica e ambiental analisaram os trabalhos em campo realizados nos municípios e discutiram a importância do apoio dos gestores municipais nessa batalha e, também, como traçar estratégias para intensificar a conscientização da população quanto aos cuidados com a dengue.

A chefe da Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores da Sesa, Emanuelle Gemin Pouzato, pontuou que, quando existe o aumento das ocorrências, a união de esforços e os planos de contingência são fundamentais para a assistência à população. “A articulação com os parceiros, a presença atuante dos gestores municipais e o trabalho em campo é uma tríade que dá certo e que necessita ser aplicada nesses locais”, afirmou.

“Estamos aqui para agregar e trazer apoio do Estado nesse momento de pico da doença. A população também precisa nos ajudar nessa hora”, complementou Emanuelle.

Dados

De acordo com o último boletim epidemiológico da Sesa, divulgado na terça-feira (2), a Regional de Londrina registra 10.140 casos confirmados e 12 óbitos por dengue neste período epidemiólogico, iniciado em agosto de 2022. Já para chikungunya são sete casos confirmados, sem óbitos.

Situação Nacional

Diante do aumento de casos de dengue, chikungunya e zika em todo o País, o Ministério da Saúde lançou uma campanha nacional para o combate das arboviroses. A ideia da iniciativa, que como tema “Brasil unido contra a dengue, zika e chukungunya”, é reforçar os cuidados com essas doenças e alertar a população sobre os sinais e os sintomas. A prevenção e controle do mosquito também fazem parte da campanha.

AEN

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.