Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Comissão de Segurança Pública (CSP) aprovou, durante reunião na terça-feira (28), dois requerimentos de convite ao ministro da Justiça, Flávio Dino, para prestação de esclarecimentos.

O senador Hamilton Mourão (Republicanos-RS), por meio do REQ 58/2023 - CSP, solicita informações sobre os objetivos do Plano da Amazônia para combater crimes ambientais e promover a segurança pública nos estados da Amazônia Legal. Na discussão da matéria, Mourão comentou o plano que prevê a construção de 34 bases operacionais na região e questionou se o empreendimento vai ser só “cimento e tijolo”.

— No Exército brasileiro, levamos 40 anos para colocar 25 a 26 pelotões especiais de fronteira. Gostaria que o ministro explicasse como vai ser isso aí.

Outro requerimento (REQ 57/2023 – CSP), apresentado pelo senador Jorge Seif (PL-SC) e outros, pede informações ao ministro sobre as duas vezes em que Luciane Barbosa Farias, apontada como integrante do Comando Vermelho, esteve nas dependências da sede do Ministério da Justiça.

8 de Janeiro

Flávio Dino também poderá ser ouvido em audiência pública sobre as condições das pessoas presas em consequência dos ataques às sedes dos Poderes da República em 8 de janeiro de 2023, caso seja confirmada a lista de convidados proposta em outro requerimento (REQ 59/2023 - CSP) aprovado pela CSP.

O senador Eduardo Girão (Novo-CE) propôs convidar, além de Flávio Dino, autoridades como o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes; o ministro de Direitos Humanos, Silvio Almeida; o defensor público-geral da União, Fernando Mauro Júnior; e o presidente da OAB Nacional, Beto Simonetti. Girão classificou a situação dos encarcerados como “gravíssima” e, na reunião da CSP, mencionou a “comoção nacional” com a recente morte de Cleriston Pereira da Cunha na prisão.

— É a primeira vítima da ditadura da toga neste país, que não teve seus direitos respeitados — protestou Girão.

O senador Magno Malta (PL-ES) avaliou que o Brasil vive tempos “tenebrosos”.

— A esquerda evoca Vladimir Herzog para dizer que ele morreu nos porões da ditadura. O Cleriston também morreu nos porões.

As datas de realização das audiências públicas serão definidas pela comissão.

Agência Senado

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.