Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Para os deputados que propuseram o debate, há reiterado descumprimento do devido processo legal

A Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados debate nesta quinta-feira (3) as prisões realizadas após o 8 de janeiro e o respeito às prerrogativa dos advogados. O debate será realizado a pedido dos deputados Marcel van Hattem (Novo-RS) e Sanderson (PL-RS).

De acordo com os parlamentares, os atos de violações ao patrimônio público na Praça dos Três Poderes foram repreendidos por todos aqueles que acreditam e confiam no Estado de Direito. "Não podemos negar a absoluta barbárie que ocorreu, buscando a devida responsabilização de todos aqueles que de fato agiram de má-fé e contribuíram para a lamentável depredação do patrimônio público", afirma Marcel van Hattem.

Para o parlamentar, no entanto, as violações ocorridas nos atos do dia 8 de janeiro não foram apenas contra o Palácio do Planalto, Supremo Tribunal Federal e Congresso Nacional. "Elas estendem-se ao reiterado descumprimento do devido processo legal, em virtude de inúmeras prisões absolutamente ilegais, assim como o constante desrespeito às premissas processuais atinentes à defesa dos detidos", afirma o parlamentar.

Marcel van Hattem entende que o desejo de responsabilizar os reais culpados "não pode ser superior a ponto de desprezar princípios e normas esculpidos em todo nosso ordenamento jurídico, sobretudo na área processual penal, visto que o direito penal deve ser a última ratio [última razão] em uma democracia".

Foram convidados, entre outros:

- o advogado da Associação dos Familiares e Vítimas de 8 de Janeiro (Asfav), Bruno Jordano;

- o presidente do Conselho Seccional da OAB/Distrito Federal, Délio Fortes Lins e Silva Junior; e

- a advogada Carolina Siebra.

Veja a lista completa de convidados

O debate vai ser realizado às 9 horas, no plenário 6.

Agência Câmara de Notícias

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.