Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O presidente da CPMI do 8 de Janeiro, deputado Arthur Maia (União-BA), negou ontem (15) pedido do deputado Duarte Junior (PSB-MA) para votação de requerimentos pela convocação e a autorização para as quebras dos sigilos telemático e fiscal do ex-presidente da República, Jair Bolsonaro. O parlamentar também sugeriu que a CPMI se debruce sobre dados do inquérito da Polícia Federal que investiga a venda, por assessores do ex-presidente, de joias e outros presentes de países árabes ao casal Bolsonaro.

Apesar de o nome do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, aparecer nas investigações dos atos antidemocráticos e da venda de joias, Arthur Maia não acatou o pedido e disse não ver "qualquer nexo de causalidade" entre as denúncias recentemente divulgadas e os ataques do 8 de janeiro.

— Eu não consigo enxergar nenhum nexo de causalidade em relação com o que aconteceu no dia 8 de janeiro e com um presente que eventualmente, não estou dizendo que isso aconteceu, que o presidente teria recebido [...]. Eu não vou entrar nisso, isso não tem nada a ver com o 8 de janeiro. Não contem comigo para esse tipo de coisa — disse Arthur Maia.

Fatos correlatos

Apesar do posicionamento do presidente CPMI, a relatora, senadora Eliziane Gama (PSD-MA), disse que o tema é objeto da CPMI e vai insistir para que seja investigado. Em coletiva de imprensa, ela defendeu a apuração das denúncias que envolvem o tenente-coronel Mauro Cid para verificar se há ou não uma ligação de sua movimentação financeira, apontada no inquérito da Polícia Federal, com o financiamento dos atos do 8 de Janeiro.

— Nós temos um ajudante de ordem que tem uma minuta de uma GLO no seu celular, tem várias conversas aonde há uma defesa clara e explícita de uma intervenção no Brasil e de repente esse mesmo ajudante de ordem está diretamente ligado a uma movimentação financeira. Então não há dúvida nenhuma que, por serem fatos correlatos, eles precisam ser aprofundados e investigados. Não é um fato novo. É sobretudo seguir aquilo que está hoje constando no nosso plano de trabalho — argumentou a relatora.

Prorrogação

Arthur Maia também declarou que não pretende prorrogar os trabalhos da CPMI, que tem 120 dias para funcionar. Ele disse esperar que a relatora, senadora Eliziane Gama (PSD-MA), entregue o relatório final dentro do prazo estabelecido pelo regimento que deu origem à comissão parlamentar mista de inquérito, que é de 120 dias. 

— Agora, se deputados e senadores fizerem o número suficiente de assinaturas, conseguirem o número suficiente de assinaturas na Câmara dos Deputados e no Senado para prorrogar a CPMI, cumpre a mim, como presidente, aceitar essa determinação do Congresso Nacional e continuar os nossos trabalhos até a data que for determinada. Agora, repito, cumprirei o nosso trabalho dentro dos limites da lei — declarou o deputado. 

Agência Senado

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.