Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em meio às críticas à fala de Lula, deputados de oposição anunciam pedido de impeachment do presidente por suas declarações

Deputados da oposição criticaram a fala do presidente Lula em que comparou a ação de Israel na Faixa de Gaza ao extermínio de judeus pelos nazistas no século passado. Parlamentares governistas defenderam o discurso e criticaram a ação do governo israelense contra o povo palestino.

A líder da Minoria, deputada Bia Kicis (PL-DF), disse que poderá haver retaliação israelense em diferentes âmbitos como repercussão do discurso do presidente. “A crise aberta pelo palpite infeliz de Lula muito provavelmente acarretará prejuízos para o desenvolvimento científico, tecnológico, a segurança e a defesa nacionais”, disse, ao citar a computação embarcada de origem israelense usada nos caças suecos Gripen, adquiridos pelo governo brasileiro.

Para o deputado Coronel Assis (União-MT), a comparação de Lula mostra sua incapacidade de compreender a história mundial. “O maior mandatário do País não passa de um trapalhão diplomático. A diplomacia brasileira está indo pro ralo”, criticou.

Segundo o deputado Luiz Lima (PL-RJ), a fala de Lula foi infeliz e põe em risco a relação de Brasil com Israel. Ele afirmou que a população judaica, em todo mundo, não igualou o número de 16 milhões de judeus em 1939. “A gente teve uma queda no número de judeus no mundo que até hoje não foi recuperada.”

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), no entanto, defendeu o discurso de Lula que foi, segundo ela, uma crítica à ação do governo israelense e não ao povo judeu. "O presidente Lula fala de Hitler — nem a palavra holocausto ele usou — ele, na verdade, repudia o genocídio que foi feito contra o povo judeu no período do nazifascismo na Segunda Guerra Mundial”, afirmou.

Para Feghali, só quem não vê o que está acontecendo na Palestina considera que não há genocídio. “Não são soldados contra soldados, é um exército contra mulheres e crianças e um povo desarmado.”

As críticas dos deputados de oposição, para o deputado Padre João (PT-MG), mostram indiferença ao extermínio de milhares de palestinos ao longo do conflito. “O Lula se agiganta como liderança internacional. São mais de 160 países que pediram o cessar-fogo depois da fala do Lula.”

Padre João: mais de 160 países pediram cessar-fogo depois da fala de Lula - Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

O deputado Rogério Correia (PT-MG) fez coro à defesa do presidente Lula. “Não mandar parar um genocídio, uma carnificina na Palestina é não ter nada na consciência. Dez mil crianças mortas e fingem que não veem”, disse.

O deputado Chico Alencar (Psol-RJ) reconheceu que Lula fez uma comparação que é sempre arriscada em qualquer genocídio. Ele defendeu, porém, a fala para criticar o que está acontecendo em Gaza “que é sim uma covardia, um genocídio, uma reação absolutamente desproporcional ao ato aterrorizante do Hamas”.

De acordo com a bancada governista, as críticas da oposição são, na verdade, uma “cortina de fumaça” para tirar o foco as investigações sobre os ataques do 8 de janeiro e as tentativas de deslegitimar o resultado das eleições de 2022.

Polêmica

O presidente Lula classificou como "genocídio" e "chacina" a ação de Israel na Faixa de Gaza em resposta aos ataques terroristas promovidos pelo Hamas. Ele comparou a ação israelense ao extermínio de milhões de judeus pelos nazistas chefiados por Adolf Hitler durante a segunda guerra mundial. Lula falou em entrevista durante a 37ª Cúpula da União Africana em Adis Abeba, na Etiópia.

"O que está acontecendo na Faixa de Gaza e com o povo palestino não existe em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu: quando o Hitler resolveu matar os judeus", disse, no domingo. O primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, disse que a fala é “vergonhosa” e que Lula “cruzou uma linha vermelha”.

Depois das declarações, o governo israelense declarou Lula como persona non grata, ou seja, o presidente brasileiro não é mais bem-vindo em Israel. Em resposta, o governo brasileiro mandou seu embaixador em Israel voltar para o Brasil.

O ataque do grupo Hamas em outubro de 2023 deixou cerca de 1.200 mortos, a maioria de civis. Outras 250 pessoas foram sequestradas e algumas permanecem reféns.

A ofensiva militar israelense em Gaza em resposta aos ataques terroristas deixou pelo menos 29 mil mortos, a maioria mulheres, adolescentes e crianças, segundo o Ministério da Saúde do território, controlado pelo Hamas.

Cabo Gilberto Silva defendeu o impeachment do presidente por sua declaração

Impeachment

Em meio às críticas à fala de Lula, deputados de oposição comemoraram mais de 120 assinaturas pedindo impeachment do presidente por suas declarações sobre o conflito Israel x Hamas.

O deputado Cabo Gilberto Silva (PL-PB), vice-líder da oposição, defendeu o impeachment do presidente por sua declaração do fim de semana. "Não era de se espantar que os seus aliados viessem a esta Casa, ao Parlamento brasileiro, que tem história, para defender o indefensável", disse.

Para o deputado Sargento Gonçalves (PL-RN), a fala de Lula configurou um crime de responsabilidade previsto na Lei 1.079/50. “Quem Lula quer agradar apoiando um grupo terrorista e atacando uma nação amiga?”

Tiago Miranda/Agência Câmara de Notícias

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.