Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Deputados e senadores tentaram chegar a um acordo nesta terça, mas não conseguiram

O presidente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de Janeiro, deputado Arthur Oliveira Maia (União-BA), cancelou a reunião prevista para hoje, 23, por falta de acordo para votação dos requerimentos em pauta.

Mais cedo a relatora, senadora Eliziane Gama (PSD-MA), chegou a dizer que os parlamentares haviam avançado nas negociações para apreciar requerimentos de sigilos telefônico e telemático de pessoas relacionadas ao depoimento feito na semana passada pelo hacker Walter Delgatti. Entre elas, a deputada Carla Zambelli (PL-SP), o advogado Frederick Wassef e integrantes das Forças Armadas.

Quanto à análise dos requerimentos que pedem a quebra dos sigilos do ex-presidente da República Jair Bolsonaro, da ex-primeira dama Michele Bolsonaro e do presidente do PL, Valdemar da Costa Neto, não havia acordo desde o início.

A oposição criticou a ação de governistas de tentar quebrar os sigilos do casal Bolsonaro. “Você não sai quebrando os sigilos das pessoas à revelia. Isso é um desrespeito, uma ilegalidade, uma agressão”, reclamou o senador Marcos Rogério (PL-RO). Para ele, não há nexo de causalidade entre as denúncias sobre eventual venda de patrimônio público por parte de ex-assessores de Bolsonaro e o escopo da CPMI.

Novos depoimentos

Além dos requerimentos de quebra de sigilos, havia vários pedidos para convocar Valdemar da Costa Neto, Bruno Zambelli (irmão de Carla Zambelli) e o general Mauro Cesar Lourena Cid (pai de Mauro Cid).

A oposição, por sua vez, queria que a CPMI marque o depoimento do ex-diretor do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) general Gonçalves Dias. Os parlamentares oposicionistas querem aprofundar a linha investigatória defendida por eles sobre uma possível omissão do governo federal.

Eles argumentam que o general sabia dos riscos de uma invasão. “Tanto sabia que dois dias antes ele alerta a Abin [Agência Brasileira de Inteligência] para o que estava a acontecer. E aí a Abin passa a monitorar, a informar, a indicar a situação preocupante que se avizinhava, e ele [G.Dias] simplesmente silencia.”

Agência Câmara de Notícias

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.