Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Atento ao papel primordial da soberania nacional em agendas internacionais sobre temas como a Amazônia, o deputado federal Filipe Barros (PL-PR) ingressou na noite da quarta-feira (27) com um requerimento de informações dirigido ao Ministério das Relações Exteriores para que o governo Lula (PT) explique aos brasileiros uma série de questões ainda obscuras envolvendo a visita ao País por parte do presidente da França, Emmanuel Macron.

Através do documento (RIC 753/2024 – em anexo), o membro da Oposição na Câmara dos Deputados pede que sejam disponibilizados na íntegra os acordos firmados entre o Brasil e a França, além dos estudos técnicos que motivaram a elaboração desses termos.

Ele também solicita ao Executivo federal que explique efeitos práticos e jurídicos relacionados à formalização das tratativas. O integrante do Partido Liberal na Casa cobra do Itamaraty que dê uma previsão de encaminhamento ao Congresso Nacional das mensagens de acordo.

 “Graças ao nanismo diplomático de Lula, a soberania nacional corre o risco de ser trocada por um passeio de mãos dadas pela floresta”, criticou Filipe Barros em sua conta oficial no X. “Macron não ficaria três dias no Brasil em troca de um book fotográfico na selva. Precisamos entender os interesses envoltos na visita”, alertou o congressista na rede social.

França tem vacina contra dengue

O deputado lembra no requerimento que, em meio à explosão de casos de dengue no Brasil, a farmacêutica francesa Sanofi conta com vacina de eficácia comprovada contra a doença, a Dengvaxia.

Para Filipe Barros, Lula “poderia aproveitar a ocasião da visita e negociar vacinas para as milhões de vítimas da dengue”. Conforme dados desta semana do próprio Ministério da Saúde, já foram registrados mais de dois milhões de casos prováveis da doença em 2024, com 831 mortes confirmadas em menos de três meses.

Lucas Marcondes/Asimp

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.