Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

No primeiro pronunciamento depois do recesso parlamentar, o líder do Podemos, senador Oriovisto Guimarães, questionou, na sessão plenária de ontem (2/8), o motivo de o Congresso não estar debatendo temas importantes neste momento, depois de duas semanas parado: “O que está acontecendo com o arcabouço fiscal que era tão importante, mas não entrou na pauta? O que está acontecendo com a reforma tributária que foi aprovada com tanta pressa lá na Câmara e que até hoje não chegou ao Senado? Ah, lá as coisas estão paradas porque está havendo negociação sobre alguns ministérios para agradar ao centrão ou ao presidente da Câmara. E por que querem ministérios? É por puro patriotismo? Ou será que vão fazer negociata? Este é um país em que a felicidade do povo é decidida com base em sentimentos mesquinhos. Grandes projetos ficam sujeitos a mesquinharias”.

O líder fez um desabafo sobre como é difícil ter o Brasil sonhado por muitos com emprego, renda, justiça ágil, sistema tributário transparente e boas políticas: “Nenhuma reforma interessa, a menos que eu tenha um ministério, a menos que eu tenha algumas emendas, a menos que eu possa, de alguma forma, garantir a minha reeleição. Quem ama o próprio umbigo não ama mais nada. Quem quer se dar bem na política quer que o país se dê mal. Para ser estadista, a primeira coisa é renunciar ao interesse próprio e pensar no coletivo”.

Oriovisto também destacou que, apesar dos R$8 bilhões de emendas liberados, a Câmara aprovou uma reforma tributária caótica, que deixa o país em situação muito pior do que a que se encontra hoje: “Tenho esperança de que o Senado analise isso com técnica, com calma, que possamos realmente discutir números e não políticas soltas, não discurso emocionado. Emoção é muito boa para outras coisas; para números, não serve para nada”.

Veja o pronunciamento na íntegra! https://youtu.be/97hEl1WLPhY

Ascom/Senador Oriovisto Guimarães

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.