Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em entrevista à TV Senado, ontem (28), o líder do Podemos, senador Oriovisto Guimarães (PR), comentou sobre o Projeto de Lei 2.903/2023, que estabelece a tese do marco temporal para a demarcação de terras indígenas. O projeto foi aprovado ontem no plenário do Senado Federal, por 43 votos a 21.

Uma semana antes, no dia 21 de setembro, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou, por 9 votos a 2, a tese do marco temporal.

Na avaliação do líder, não há disputa entre o Senado e o STF. “O que há é uma definição de papéis que precisam ficar claros. Numa democracia, o supremo poder é do povo e os congressistas são os únicos representantes do povo, bem como o presidente da república que também foi eleito. Ao Supremo cabe interpretar e aplicar as leis. Fazer e alterar as leis cabe ao Congresso Nacional”.

Marco temporal

A tese do chamado marco temporal, defendida por proprietários de terras, estabelece que os indígenas somente teriam direito às terras que estavam em sua posse em 5 de outubro de 1988, data da promulgação da Constituição Federal, ou que estavam em disputa judicial nesta época.

Em 2009, ao julgar o caso Raposa Serra do Sol, território localizado em Roraima, o STF decidiu que os indígenas tinham direito à terra em disputa, pois viviam nela na data da promulgação da Constituição. De lá para cá, passou-se a discutir a validade do oposto: se os indígenas também poderiam ou não reivindicar terras não ocupadas na data da promulgação.

Veja o vídeo: https://oriovistoguimaraes.com.br/o-supremo-poder-e-do-povo/

Asimp/Senador Oriovisto Guimarães

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.