Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Vice-presidente da Comissão afirma que colegiado “não pode passar pano” para quem se omitiu no dia 8 de janeiro, quando houve a invasão e depredação dos prédios da Praça dos Três Poderes

Parlamentares governistas cochilaram na CPI Mista do 8 de Janeiro e a oposição conseguiu aprovar um requerimento, na última terça-feira (11), para quebrar o sigilo dos planos de voo que o presidente Lula (PT) fez no fim de semana em que aconteceu a invasão e depredação dos prédios no início do ano, em Brasília. Além disso, os integrantes da Comissão  — formada por deputados e senadores com objetivo de investigar responsabilidades e omissões sobre os atos registrados na Praça dos Três Poderes — terão acesso a imagens das câmeras de segurança do Ministério da Justiça (MJ) no dia do incidente.

O objetivo dos parlamentares contrários ao governo Lula é revelar um suposto envolvimento ou omissão do ministro da Justiça, Flávio Dino, com as depredações e o vandalismo registrados no dia 8. Segundo a oposição, órgãos de inteligência do Estado brasileiro teriam informado com antecedência, tanto o Poder Executivo quanto o governo do Distrito Federal, que a invasão aconteceria naquele dia. 

O acesso aos planos de voo do atual presidente e também ao circuito interno de câmeras do MJ fazem parte da estratégia dos oposicionistas para tentar demonstrar que teria havido omissão do governo no dia 8 de janeiro. Reforça  esta tese o fato de a Imprensa ter vazado cenas internas do Palácio do Planalto  — um dos prédios depredados — nas quais o ex-ministro G. Dias, do Gabinete da Segurança Institucional (GSI) do atual governo, teria confraternizado com os invasores, sem apresentar nenhuma resistência ao vandalismo.

Segundo o senador Magno Malta (PL-ES) a aprovação dos requerimentos aconteceu em acordo da maioria dos membros da CPI presentes, antes do início do depoimento do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do então presidente Jair Bolsonaro.

“Nós esperamos realmente que, ao voltar do recesso, a gente retome os trabalhos com normalidade. Queremos investigar mesmo, já que esses requerimentos foram aprovados, e não com essa história de querer passar o pano com a invenção e narrativa de golpe, querendo acobertar quem na verdade se omitiu de tudo o que aconteceu naquele dia", declarou o senador capixaba.

De acordo com Magno Malta, o governo tomou conta da CPI Mista mas foi mal assessorado, no caso da aprovação dos requerimentos que permitem acesso ao plano de voo do atual Presidente da República e das câmeras do MJ. "Eles têm maioria lá — e os requerimentos estavam em todos computadores dos assessores e agora os parlamentares governistas estão desesperados, porque querem esconder o que está vindo à tona", afirmou.

José Roberto Azambuja/Brasil 61

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.