Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Amparado por um habeas corpus do Supremo Tribunal Federal (STF), o general Augusto Heleno, ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), negou-se a responder a 14 questionamentos feitos por parlamentares na primeira parte da reunião. O oficial da reserva participa de reunião da CPMI do 8 de Janeiro, onde depõe como testemunha.

Das 14 perguntas sem resposta, 12 foram formuladas pela senadora Ana Paula Lobato (PSB-MA). Ela indagou o oficial sobre a participação dele nos governos militares iniciados após golpe de 1964.

— Em agosto de 2021, o senhor sustentou haver previsão constitucional para intervenção militar. O senhor é partidário da tese que advoga o poder moderador das Forças Armadas? — questionou a parlamentar.

— Isso não está no escopo da minha convocação aqui. Vou ficar em silêncio — respondeu Heleno.

O senador Rogério Carvalho (PT-SE) criticou a participação do ex-ministro no governo militar pós-1964.

— Temos um depoente que esteve durante o regime que prendeu, torturou e matou quem se colocava contra. Infelizmente, não houve punição. E aqui está o retrato da impunidade, sentado à mesa como depoente — disse o parlamentar em referência a Augusto Heleno.

O ex-ministro também se recusou a responder a uma pergunta do deputado Rubens Pereira Junior (PT-MA). O parlamentar queria saber se o general Augusto Heleno participou de uma reunião em novembro do ano passado entre o então presidente Jair Bolsonaro e os comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica.

Segundo informações atribuídas ao acordo de delação premiada firmado entre a Polícia Federal e o tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante-de-ordens de Bolsonaro, — citadas pelos parlamentares alinhados com o governo — o encontro teria abordado a possibilidade de um golpe de Estado para impedir a posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Mais cedo, respondendo a uma pergunta da relatora da CPMI, senadora Eliziane Gama (PSD-MA), Heleno negou ter participado do encontro.

A última pergunta sem resposta foi formulada pelo deputado Rogério Correia (PT-MG). Ele queria saber se o ex-ministro do GSI participou de uma reunião em agosto de 2022 entre o então presidente Jair Bolsonaro e o hacker Walter Delgatti Neto. O encontro no Palácio da Alvorada teria abordado a segurança das urnas eletrônicas.

Oposição

Dos 12 integrantes da CPMI que arguíram o general Augusto Heleno na primeira parte da reunião, apenas dois fazem oposição ao governo: os senadores Izalci Lucas (PSDB-DF) e Eduardo Girão (Novo-CE). Para o parlamentar cearense, o governo federal não tomou as medidas necessárias para evitar os ataques de 8 de janeiro.

— A oposição quer buscar toda a verdade. Por que o governo Lula não protegeu o patrimônio, usando todos os recursos possíveis? Deixou quebrar. Isso está muito claro para todo brasileiro que está acompanhando esta CPMI. Foi uma escancarada omissão do governo federal — disse.

Izalci Lucas concorda. O senador criticou o fato de o general Marco Edson Gonçalves Dias, que sucedeu o general Heleno no comando do GSI a partir de 1º de janeiro, não ter atuado adequadamente para impedir os ataques.

— Houve 11 alertas da Abin [Agência Brasileira de Inteligência] recebidos pelo comandante do GSI [Gonçalves Dias]. Tudo o que aconteceu em 8 de janeiro poderia ter sido evitado se tivessem tomado providências. É dever legal do ministro do GSI garantir a segurança do Palácio Planalto. O que fizeram com as informações da Abin? Jogaram no lixo? Passaram para alguém? Esse alguém tinha poder de decisão? Tomou uma decisão? — questionou.

Agência Senado

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.